Saúde

Reino Unido identifica mais uma mutação do vírus em pacientes vindos da África do Sul


O Reino Unido detectou uma nova variante do coronavírus Sars-Cov-2 em dois pacientes que estiveram na África do Sul ou que tiveram contato com eles, disse nesta quarta-feira (23) o ministro de Saúde britânico, Matt Hancock.

A variante variante batizada de “501.V2” não é a cepa do vírus nomeada como “B.1.1.7.”, que no fim de semana foi apontada pelo primeiro-ministro Boris Johnson como sendo 70% mais transmissível, de acordo com uma análise preliminar. O anúncio da circulação da B.1.1.7. levou a bloqueios dentro e fora do território britânico.

Diretor da OMS diz que nova variante do coronavírus não está ‘fora de controle’, mas bloqueios são prudentes
Cepa B.1.1.7. do novo coronavírus exige estudos que comprovem que ele é mais contagioso, dizem especialistas
No primeiro anúncio, o Reino Unido informou que a cepa B.1.1.7. era responsável pelo aumento dos casos no país. Agora, as autoridades britânicas identificaram dois casos de pacientes com o mesmo tipo do vírus que é associado a uma alta dos casos no país africano.

Na semana passada, o departamento de Saúde da África do Sul afirmou que descobriu uma nova cepa do coronavírus. Segundo os sul-africanos, ela predomina entre os casos no país, que enfrenta uma alta no número de infectados.

De acordo com o anúncio do Reino Unido, duas pessoas que estiveram na África do Sul e viajaram para a Inglaterra estavam infectadas com essa variante do vírus.

“Esta nova variante é altamente preocupante, porque é mais contagiosa e parece ter mutado mais que a nova variante identificada no Reino Unido.” – Matt Hancock, ministro da Saúde britânico

Os pacientes estão em quarentena, assim como as pessoas que entraram em contato com eles.

De acordo com Hancock, o Reino Unido vai restringir a entrada de pessoas que saíram da África do Sul.

Investigação do genoma na África

A variante 501.V2 foi identificada por pesquisadores sul-africanos e relatada à Organização Mundial da Saúde (OMS), disse na sexta-feira (18) o ministro da Saúde africano, Zwelini Mkhize.

A equipe sequenciou centenas de amostras de todo o país desde o início da pandemia em março e “observou que uma determinada variante domina os resultados desses dois últimos meses”, segundo Mkhize.

Ainda segundo o relato do ministro, os médicos sul-africanos perceberam uma evolução no panorama epidemiológico, com maior número de pacientes mais jovens, sem comorbidades, desenvolvendo formas graves da doença.

Todos os elementos “indicam fortemente que a segunda onda que atravessamos é impulsionada por esta nova variante”, segundo o ministro africano.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios